Leo Gonçalves é ouro e Brasil fecha Grand Prix na Áustria com 3 pódios

O judô brasileiro subiu três vezes ao pódio neste sábado (27), último dia de competições no Grand Prix da Áustria, que garante aos vencedores 700 pontos no ranking mundial – a lista serve de parâmetro na corrida olímpica por vaga nos Jogos de Paris 2024. O meio-pesado Leonardo Gonçalves, de 27 anos, assegurou a medalha de ouro ao derrotar por ippon o alemão Louis Mai na final dos 100 quilos. Também teve dobradinha de bronze com Marcelo Gomes (90kg) e Giovanna Santos (+78kg).

Para chegar à final contra o alemão Louis Mai – treinado por Luciano Correa, campeão mundial pelo Brasil – Léo Gonçalves ganhou outras quatro lutas por ippon. Na estreia bateu o cazaque Bekarys Saduakas, e depois superou o tcheco Martin Bezdek nas oitavas e o dinamarqês Mathias Madsen nas quartas. Na semifinal, o brasileiro triunfou após um ippon relâmpago aos 19 segundos de luta contra o britânico Rhys Thompson. O ouro na Áustria foi o segundo do brasileiro na temporada: a primeira foi de bronze, em Tel Aviv (Israel). 

Na disputa pelo bronze nos 90kg,  Marcelo Gomes derrotou por ippon o britânico Jamal Petgrave. Foi o melhor resultado do judoca no circuito mundial, desde o sétimo lugar no Mundial de Tashkent, no ano passado.

Na competição feminina acima dos 78 kg. Giovana Santos, também conhecida como Gigi, superou na final a bósnia Larissa Ceric. Logo no primeiro minuto de luta, Gigi acertou um waza-ari sobre a adversária, e depois administrou a vantagem até o fim da luta. Após a conquista de sua primeira medalha no circuito mundial, a brasileira de 22 anos, atual 65ª colocada no ranking mundial, deve subir para o grupo dos top 50. 

De olho em Paris 2024

As etapas de Grand Prix são consideradas competições intermediárias no circuito da  Federação Internacional de Judô (IJF, na sigla em inglês). Ficam em quato lugar na hierarquia, atrás do Mundial, World Masters e Grand Slam. 

O Brasil busca vagas em cada uma das 14 categorias individuais, além do torneio por equipes. O melhor posicionamento possível  no ranking mundial serve de referência para a distribuição de vagas para Paris 2024pela IJF.

A totalização de pontos no ranking mundial teve início em julho de 2022 e só termina em junho do ano que vem. A modalidade reunirá 372 atletas em Paris (igualmente divididos entre homens e mulheres).  Os 17 primeiros colocados no ranking de categoria asseguram vaga em Paris 2024 (com o limite de um judoca por país). A partir das 18ª colocação no ranking, as vagas serão distribuídas por continente: Américas (21 vagas), África (24), Europa (25), Ásia (20) e Oceania (10).


source

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui